As vinhas Boal sofreram alterações genéticas naturais devido ao solo vulcânico da Madeira.

Boal

As origens da casta Boal são pouco precisas, pensa-se que têm a sua proveniência no distrito de Bordeaux, na França, já na época medieval. A falta de documentação sobre esta casta, deve-se muito ao fraco cultivo efectuado entre o século XV e o século XVIII, século em que atingiu um grande nível de produção, algo que  não se pensava poder vir a acontecer. As castas Boal, Sercial, a Bastardo  e a  Verdelho foram todas introduzidas na Ilha a partir de cepas trazidas de Portugal.

Estas vinhas viriam a assumir uma identidade viticultural diferente nas décadas e séculos seguintes: especialmente devido ao novo solo que encontraram na Madeira, a posição geográfica e à qualidade do ar a que estavam sujeitas, todos estes factores contribuiram para subespécies de vinhas únicas.
As poucas anotações descobertas em alguns documentos antigos que referem a casta Boal, ou Bual em alguns casos, fazem referência à ordem dada pelas autoridades locais em e por volta de 1780 para substituirem as vinhas Malvasia, doentes ou destruidas, pelas vinhas da casta Boal.  O Boal era já classificado como um vinho nobre a esta altura. Segundo os textos escritos pelo agriculturalista, António Teixeira de Sousa, em 1938, o Bual de Madeira, era uma subespécie única e diferente devido aos constantes enxertos efectuados pelos produtores madeirenses até então.
O Boal produzido na Madeira é um vinho semi-doce, muito encorpado, rico e estimado devido ao seu “bouquet” esplêndido.

Rótulo de Vinho Boal: Gibbs & Company Madeira

Um rótulo com a casta Boal como conteúdo da garrafa.

Picture

Castas

Sercial

Verdelho

Boal

 

Malvasia

Tinta Negra Mole

Volte ao topo

Pormenores: Sercial

Pormenores: Verdelho

Pormenores: Boal

Pormenores: Malvasia

Pormenores: Tinta Negra Mole

Página Príncipal

Copyright 1997 Bjelkaroy & Barbosa, Design by Limbo